Tito Guarniere - Opinião

Tito Guarniere

O FIES-Financiamento Estudantil é um programa do PT, fortemente expandido durante o governo Dilma. Ele diz muito da forma como o PT vê os recursos públicos, os limites orçamentários. Além, o FIES escancara o modo como o PT considera os seus concidadãos, o papel que o partido se reserva na condução do Estado e na formulação e prática de suas políticas públicas. 

Não há palavra de Lula – ou dos petistas – no sentido de estimular as pessoas ao esforço individual, à saudável ambição de crescer e melhorar de vida. Ao invés, o petismo sempre deixou subjacente a ideia de que a melhoria de vida dos trabalhadores é uma missão, senão um “dever de Estado”, que tudo providencia e provê. 

O PT, certa esquerda, vai além para “desmerecer o mérito”, tomando-o como uma cavilosa armadilha dos donos dos meios de produção, para melhor explorar o povo. Ou acusando o mérito (a meritocracia) de fator decisivo no aumento das diferenças sociais. 

Nos meios acadêmicos de esquerda a meritocracia é duramente combatida, porque ela não garante “vencer na vida”. E não garante mesmo. Mas é no mínimo intelectualmente desonesto não reconhecer que os trabalhadores mais focados, estudiosos, engajados no seu ofício e profissão, entretanto, tendem exponencialmente a ser melhor sucedidos do que os desinteressados e dispersivos. 

Os acadêmicos sequer se lembram que se tornaram professores da universidade pública (com todas as suas vantagens materiais e com todo o status de reconhecimento) por…mérito. O que é o concurso senão uma aferição de mérito? 

O recado que passam ao distinto público, negando o valor do empenho pessoal e do foco, é claro: não se esforcem tanto, porque esse esforço é inútil, dele só vai resultar mais ganhos para os capitalistas. Você não sai da armadilha da pobreza sem nós (da esquerda). Esperem por nós: no poder, faremos todas as concessões, que em tudo lhes permitirá uma vida mais decente e melhor. 

O progresso social, portanto, é obra do Estado, de um governo comprometido com os trabalhadores, com os mais pobres. Do esforço individual, do mérito da persistência e da superação pessoal, nada virá. 

Foi nessa concepção particular de mundo que o FIES foi bolado. Não havia nenhum critério de seleção – bastava estar matriculado em universidade privada. Não contava a posição da instituição de ensino no ranking. Não precisava nota mínima para a concessão do crédito. Não havia obrigação de apresentar avalista ou fiador. As universidades, livres de qualquer coobrigação em caso de inadimplência, encheram as burras de dinheiro com o programa. 

Os índices de inadimplência explodiram. E depois que Lula, candidato favoritíssimo à presidência, prometeu perdoar as dívidas do programa, ninguém mais vai pagar. 

O tamanho do rombo? Cerca de R$ 130 bilhões de reais, jogados nos muitos ralos por onde drenam os recursos públicos e que – estes sim – fazem falta para melhorar a saúde, o ensino, a segurança dos brasileiros, principalmente os mais pobres. 

titoguarniere@outlook.com 

twitter: @TitoGuarnieree