Tito Guarniere - Opinião

Tito Guarniere

Se você perguntar a dez bolsonaristas qual é a razão da queda de homicídios no Brasil, onze responderam que é o resultado do armamento dos cidadãos – graças, portanto, aos incentivos do governo Bolsonaro.

Ocorre que isso não faz nenhum sentido. Os delinquentes simplesmente não levam em conta os perigos e a rejeição social de uma vida dedicada ao crime: a oposição familiar (principalmente da mãe) à atividade criminosa ; a possibilidade de uma reação da vítima, inclusive com risco da própria vida; a hipótese de ser preso e viver no inferno que são os presídios brasileiros ; a cooptação por uma das facções criminosas que controlam o crime no Brasil.

Os criminosos conhecem de cor e salteado o que lhe espera se ele ingressar na carreira do crime. Nenhuma razão moral prevalece- conduta de cidadão, ensinamento na escola, crença religiosa – quando ele toma a decisão crucial.

Sim, há muito mais armas nas mãos dos cidadãos, mas ainda resta um contingente infinito de pessoas que, ou por vontade própria, ou porque lhes faltam os recursos ( comprar armas e munição é caro ), continuarão indefesas, presas fáceis da bandidagem.

O bandido sempre contará com o fator surpresa e com o adestramento para o uso de armas. Então, não haverá um único deles que desista de assaltar, roubar ou matar, porque os “ cidadãos se armaram “.

Ou seja, “quanto mais armas menos crimes” é uma formidável e perigosa balela. Adotadas medidas que facilitem a aquisição, o porte e o uso de armas, as facilidades logo serão aproveitadas pelos bandidos.

Nada impede que o cidadão comum tenha uma arma – mas não é uma necessidade vital. São os assaltantes, os traficantes, os matadores profissionais que precisam de armas para seus atos nefandos.

A queda de homicídios no Brasil é real e significativa. Há várias razões. Trata-se de uma tendência que vem de uma década atrás – começou nos últimos anos do governo de Dilma Rousseff.

Quando Bolsonaro assumiu, com o seu discurso armamentista, a curva já era declinante, e continuou assim. O ex-juiz Sérgio Moro, então ministro da Justiça, gostava de pensar ( e de se enganar ) que tinha sido por causa dele – na verdade ele nem teve tempo de formular e implantar políticas firmes e duradouras, capazes de produzir efeitos imediatos. Isso leva meses, às vezes anos.

Foram várias as razões pelas quais declinou o número de assassinatos – de 60 mil por ano em 2014 para os atuais 47 mil. Houve mudanças demográficas significativas – menos jovens e adolescentes, principais vítimas de crimes violentos; políticas locais ; a implantação do Sistema Único de Segurança Pública pelo governo federal ; a redução dos conflitos entre facções criminosas, que em vários estados acomodaram seus interesses..

O Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública de 2021 evidencia que não há a relação “mais armas menos crimes”: nos estados onde os cidadãos compraram mais armas, não se verificou uma redução maior nos homicídios e crimes violentos.

titoguarniere@outlook.com

twitter : @TitoGuarniereee

Deixe um comentário

Deixe uma resposta Cancelar resposta