A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia de Segurança Pública (PSP) lançam hoje, dia 1 de outubro, a Campanha de Segurança Rodoviária “Taxa Zero ao Volante”, inserida no Plano Nacional de Fiscalização de 2021.

Vigente entre os dias 1 e 5 de outubro, a campanha tem como objetivo alertar os condutores para os riscos da condução sob a influência do álcool. Um em cada três condutores mortos em acidentes de viação apresenta uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,5 g/l e, três em cada quatro destes condutores, apresentam uma taxa igual ou superior a 1,2 g/l.

Diversos estudos científicos demonstram que conduzir sob a influência do álcool causa várias perturbações ao nível cognitivo, do processamento de informação, da capacidade de reagir e da descoordenação motora. Também diminui o campo visual, provocando a chamada visão em túnel.

Esta perda de capacidades, bem como as alterações de comportamento que podem levar a estados de euforia e desinibição, aumentam de forma muito significativa o risco de envolvimento em acidentes rodoviários.

A campanha integrará:

  • Ações de sensibilização da ANSR;
  • Operações de fiscalização, pela GNR e pela PSP, com especial incidência em vias e acessos com elevado fluxo rodoviário e de acordo com o Plano Nacional de Fiscalização 2021, de forma a contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de acidentes e para a adoção de comportamentos mais seguros por parte dos condutores no que tange à condução sob a influência do álcool.

Localidades das fiscalizações:

  • Dia 1 de outubro, às 20h00: AE 1, Km 14, Portagens de Alverca;
  • Dia 2 de outubro, às 14h00: Rotunda do Eucalipto, Coimbra;
  • Dia 3 de outubro às 14h00: Nó AE 3/AE 41, Maia;
  • Dia 4 de outubro, às 20h00: Jardim da Cordoaria, junto à antiga Cadeia da Relação, Porto;
  • Dia 5 de outubro, às 14h00: IC 2, km 172,350, Arrifana.

Riscos da condução sob a influência do álcool:

  • Com uma taxa de álcool no sangue de 0,5 g/l o risco de sofrer um acidente mortal duplica;
  • Os acidentes que decorrem da condução sob a influência do álcool são particularmente graves.
  • A sinistralidade rodoviária não é uma fatalidade e as suas consequências mais graves podem ser evitadas através da adoção de comportamentos seguros na estrada.

“A sinistralidade rodoviária não é uma fatalidade e as suas consequências mais graves podem ser evitadas através da adoção de comportamentos seguros na estrada”, alerta o comunicado emitido sobre a ação.